It Happened

Oi queridos,
Hoje é dia de “It Happened”!!! E o pedido de hoje está M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-O, por isso preparem os lencinhos e vamos lá!
Quem enviou o pedido pra gente foi o noivo (fofo), e a pedido dele iremos preservar seus nomes e vamos chamá-los de Romeu e Julieta!
“Quando começamos a namorar, minha noiva recebeu um convite de um casal de amigos para participar do casamento deles em Bordeaux na França. Como ainda faltava 1 ano para a festa, minha noiva me convidou, meio por educação, se eu queria ir também, mas esse convite me fez pensar que, enfim, meu namoro era mais sério e comprometido do que eu pensava, e que, de verdade, ela já sonhava ou queria que daqui 1 ano nós estivéssemos juntos. Aceitei. Compramos as passagens e seguimos em frente, namorando.

O namoro seguiu, naturalmente, cada dia descobríamos um sobre o outro, e conquistamos a confiança e o amor que faz um casal querer ficar junto.
Na véspera da viagem, comecei a organizar as reservas de hotéis, passeios e essas coisas todas, e reservei um pedaço da viagem para por meu plano de noivado em prática. Eu já estava decidido, e comecei a organizar tudo.

Decidimos tirar uns dias na Itália, conhecer cidade por cidade, viajando de carro, e aproveitando cada quilometro ao máximo.

Planejei tudo sem ela saber, até o dia da viagem.

Primeiro, descobri um site de hoteis super descolados, românticos e incríveis, é mesmo fantástico. Imperdível. O melhor para esse tipo de viagem. Escolhi um hotel em Veneza, em frente ao Gran Canale, com apenas 8 suites, com acesso apenas de gondola ou barco. Super exclusivo. Reservei, e junto da reserva, combinei com a gerente algumas surpresas para quando chegassemos.

Depois, mandei um email para todas as lojas Cartier que tinham em Milão, e contei o meu plano para as gerentes das lojas, até que uma delas se comoveu com minha história, e aceitou reservar um par de alianças, para que eu buscasse diretamente na loja.
Com hotel e aliança reservadas, faltava o local. Pesquisei alguns restaurantes do Guia Michelin e achei o meu restaurante perfeito. Ele se chama Caffe Quadri, fica no meio da Piazza San Marco, no centro de Veneza. Lá no meio. O restaurante é incrível, de uma dupla de chefes, um deles espanhol. Escrevi aqui do Brasil, contei os meus planos, e pedi que reservassem a mesa mais romântica. Era uma mesa bem em frente a janela, que dava bem para a Piazza San Marco.
Tudo certo. Tudo reservado. Fomos.

Chegamos em Milão, aproveitamos, e fui escondido para a loja Cartier, para buscar minha aliança, mas a polícia italiana me parou no caminho, e perdi 2 horas explicando a situação. Para compensar, a loja me presenteou com uma garrafa de Champagne da Cartier. Linda. Parecia um diamante. Quando cheguei no hotel para buscar minha namorada, ela estava super brava porque ficou me esperando, e eu nem podia contar o motivo. Pedi desculpas com aquele sorriso de quem está escondendo alguma coisa. Ela não gostou muito. ;-(

De Milão, fomos para Pádova. Em Padova fica a igreja onde estão os restos mortais de Santo Antonio. E acreditem, tanto minha família quanto a dela são devotas de Santo Antonio, e pouco antes de nos conhecermos, eles fizeram uma promessa, cada familia para seu filho, para que encontrassem um grande amor. Eu fui lá, pagar a promessa. E benzi o par de alianças no túmulo de Santo Antonio. Uma pena, infelizmente, que eu não podia contar para minha namorada, que eu estava aprontando tudo isso, que era para ser surpresa. Mas pedi a benção por nós dois, e ganhei uma pequena medalhinha de uma Sra. que estava na Sacristia. Guardei.
De Padova, fomos para Verona. Em Verona fica a casa de Julieta, do Romeu e Julieta. E como bons turistas, passeamos, aproveitamos, e fomos visitar a casa de Julieta. No átrio externo da casa, as paredes são todas pintadas com os nomes dos casais que passaram por lá, e também há uma grande porta de ferro, onde os casais prendem pequenos cadeados coloridos, para representar a união para sempre. É muito emocionante e lúdico. Fizemos tudo. E guardei as chaves.

Chegamos em Veneza, e a chegada na cidade histórica é maravilhosa. É uma experiência absolutamente romântica. Chegamos, passeamos, até encontrar o hotel.

A entrada do Hotel era feita de um beco estreito, escuro, iluminado pela luz do sol e da lua, tão secreto que dava medo. O hall do Hotel era moderno, lindo, charmoso. A gerente se apresentou e me reconheceu pelo nome. Fez um sinal afirmativo, e as surpresas começaram. Logo que eu cheguei, peguei uma das cópias da chave do cadeado da casa de Julita, e joguei no Gran Canale… apenas para garantir que nosso amor não se perderia depois daquele dia.

Quando ela entrou no quarto, havia 24 rosas vermelhas, colombianas, esperando por ela. Foi emocionante.

Estava tudo dando certo.

Aproveitamos a cidade. E cada caminhada pelas ruas e becos vale muito a pena. Quando voltamos, exaustos de tanto passear, entramos no quarto, e lá estava a garrafa de Champagne brilhando à luz da vela que estava ao lado. Perfeito.

Eu disse para minha namorada, que tínhamos um jantar naquela noite.

Como a gerente do hotel já tinha me ajudado, quando fomos para o restaurante, lá estava nos esperando uma gondola, com um Sr. veneziano típico, e ele foi nos contando histórias sobre Veneza, e sobre o amor de 35 anos que ele tinha pela mulher dele. O difícil foi guardar a caixa da aliança sem que minha namorada percebesse… mal andava para disfarçar.

Chegamos no restaurante, e lá estava nossa janela de frente para a Piazza. O lugar era lindo, grandioso, mas muito intimista.

Logo que cheguei, como já tinha combinado, entreguei a caixa das alianças para o Maitre, que me reservou uma supresa.

Ao nosso lado um casal de alemães, atrás outros dois casais, e era só. Eram apenas 5 mesas.

Experimentamos vários pratos extraordinários, e um vinho que parecia um sonho. Um Luce, de Brunelo de Montalcino.

Quando pedimos a sobremesa, minha namorada recebeu um pequeno bolo, de glacê, com detalhes dourados. Ela achou meio extravagante, mas…

O Maitre e o garçon ficaram ali, parados, sorrindo, e ela, então percebeu alguma coisa. O tempo parou. Não consigo nem lembrar o que senti, o que falei, o que vi..

Ela tentou cortar o bolo, e a caixa das alianças apareceu!

Um sorriso sincero, uma lágrima de alegria… e ela começou a abrir a caixa… Lá estavam nossas alianças. Brilhantes. Fiéis. Uma do lado da outra.

Vocês não acreditam, o casal de alemães ao lado começaram a bater palmas. A mesa de trás, e todos os garçons também.

E eu fiz o pedido… Eu quero que você seja minha mulher, eu quero me casar com você!
Sim, sim, sim.

E assim foi. Ficamos noivos.

Agora já comecei a pensar como vai ser o casamento.. e claro… a lua de mel!

Ah… dentro da caixa das alianças, vermelha e elegante, prendi a medalhinha de Santo Antonio, e guardei a outra chave da Julieta embaixo da caixa. Abençoada e garantida.

E assim foi nosso noivado.
Caprichem… porque é um momento único.. e o amor, a vida nada disso tem a menor graça se não for para viver grandes histórias!”
Queria agracecer muito o “Romeu” por ter dividido com a gente esse momento tão especial! E gente fala sério, que pedido maravilhoso foi esse?
Meninos, inspirem-se! Nós agradecemos…
A Baroneza

  • STEPHANIE

    Topppp mundo!

  • Anonymous

    Que alegria saber que minha história virou mesmo uma história.
    Foi uma emoção muito grande. Inesquecível.
    Parabéns pelo Blog. Vocês são incríveis.
    Beijos,
    Romeu.

  • Fabiana

    Romeu, espero que essa historia seja apenas o começo de muitas alegrias…e como leitora fiel do blog, espero que possamos compatilhar com o casal, o momento tão aguardado.

    Tenho certeza que não só eu como todas as leitoras, estamos ansiosas esperando fotos e comentarios do grande dia.

  • Jeane

    Nossa, fiquei muito emocionada!!!